sábado, 30 de maio de 2009

Caminhando, Andando e Chorando......

Os Santos Caminham em Fraquezas

 

João A. de Souza filho

 Da fraqueza tiraram força, fizeram-se poderosos em guerra

 

Vez que outra me deparo com as fraquezas dos homens e mulheres de Deus do passado, apresentados na galeria dos heróis da fé em Hebreus 11.

Qualquer pegador e escritor inteligente poderá desconstruir e falar negativamente das vidas de Abraão, Isaque e Jacó; qualquer pregador, se quiser, poderá pincelar de preto e branco a vida de Davi e descolorir a beleza dos personagens da Bíblia.

Se alguém quiser desacreditar a vida e a biografia de cada pessoa citada em Hebreus, terá argumentação suficiente para fazê-lo.

Todos cometeram erros. Noé, o grande intercessor, vacilou, embriagou-se, e amaldiçoou o seu filho.

Abraão, o amigo de Deus, diante dos reis, temeu e mentiu.

Isaque também.

Jacó, e os patriarcas exceção de Joforam enganadores e mentirosos.

Gideão se prostituiu espiritualmente fazendo uma estola sacerdotal.

Davi, homem segundo o coração de Deus, no auge do reino adulterou e foi homicida.

Salomão, que de Deus recebeu tanta sabedoria e conhecimento, cedeu ante os prazeres da carne.

É preciso ler Hebreus 11 pela ótica de Deus.

Eram pessoas que fraquejaram?

Sim!

E como fraquejaram!

Mas Deus nãos os vê como nós os vemos.

Deus os vê como seres humanos, sujeitos a fraquezas; e os vê como pessoas de fé, e vencedoras.

A vida desses personagens é-nos exposta como exemplo de fé que supera a fraqueza.

Estão ali para nos incentivar a seguir na jornada da vida cristã, apesar das fraquezas.

As fraquezas tendem a levar ao desânimo, e a única maneira do obreiro ser um vitorioso, é aprender a depender de Deus em tudo o que faz, pois a coisa que Deus mais valoriza nos seus servos é a humildade seguida de quebrantamento.

Quantos de nós oscilamos e lutamos todos os dias entre a unção e a fraqueza?

Sentimos que estamos cheios do Espírito Santo, que temos poder; admiramo-nos de que os demônios se agitam com nossa presença, curamos os enfermos e profetizamos, fazemos obras gloriosas e, no entanto, cedemos diante do pecado.

Uma verdadeira guerra se trava dentro de nós.

Unção e fraqueza convivem lado a lado  dentro de nós, numa luta sem tréguas!

Um místico, citado por Arintero disse: Às vezes Deus deixa nos melhores santos algumas fraquezas e, por mais que queiram não conseguem desvencilhar-se delas, nem corrigir-se, para que sintam sua própria fraqueza, e ver o que seriam sem a graça de Deus.

Só as fraquezas impedem que nos vangloriemos dos favores que de Deus recebemos...

Não devemos, pois, nos inquietar nem nos entristecer pelas faltas que poderíamos cometer  como fazem os orgulhosos que se turbam e desmaiam quando miram suas fraquezas  mas tirar delas forças. 1

 

Cuidando do nosso caminhar

Quero exemplificar a questão da fraqueza usando a visão que Ezequiel teve dos querubins.

O profeta descreve os querubins como seres diferentes, com seis asas.

Com duas asas cobrem o rosto, com duas cobrem os pés e com as outras duas voam.

Imagino que  encobrem o rosto por serem belos, e precisam encobrir os pés, por causa da imperfeição.

Ainda que seus pés brilhem como o bronze polido, os querubins têm pés de vaca!

A Bíblia diz que são de bezerros!

As suas pernas eram direitas, a planta de cujos pés era como a de um bezerro, e luzia como o brilho de bronze polido (Ez 1.7).

Quer dizer, têm pernas de homem, mas pés de bezerro!

Imagine-se um homem, com pé de vaca!

A glória que brilha sobre seus rostos serve para esconder a fraqueza!

Nossos pés, ao que se depreende das Escrituras também são símbolos de imperfeição, e Deus quer que nos apresentemos diante dele como somos.

Os sapatos que usamos encobrem a feiúra de nossos pés.

Nenhum homem, ao que parece gosta de expor seus pés; não os acha belo.

Por isso usa os melhores calçados, não apenas para escondê-los e protegê-los, mas também para poder caminhar mais confortavelmente.

Moisés apresenta-se calçado diante da sarça e Deus lhe pede que se aproxime descalço!

Josué está diante do anjo, calçado, pronto para a guerra e este pede que Josué tire os sapatos: Descalça as sandálias de teus pés, porque o lugar em que estás é santo (Js 5.15).

Os pés falam de nosso caminhar e da nossa imperfeição.

Por isso queremos protegê-los.

Paulo afirma: E os que nos parecem menos digno no corpo, a estes damos muito maior honra; também os que em nós não são decorosos revestimos de especial honra (1 Co 12.23).

Se um homem estiver vestido de finos trajos, mas os sapatos estiverem sujos, não combinando com a cor ou se o homem estiver descalço, toda perfeição e beleza da pessoa desaparecem pela feiúra dos pés!

Assim somos nós, os obreiros.

Somos fracos quando estamos diante de Deus e do povo.

Temos uma aura de glória celestial sobre nossas cabeças quando pregamos o evangelho, e os pés empoeirados da caminhada.

No entanto, como um querubim que, apesar de tanta glória tem pés como de bezerro, os pés dos pregadores recebem o brilho celestial que encobre sua imperfeição!

Parece que Deus vê os nossos pés sob o ângulo de sua glória: Que formosos são sobre os montes os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!(Is 52.7).

O obreiro pode recender ao perfume de Deus, ao brilho de sua glória, mas Deus sempre deixa um quê de imperfeição para mantê-lo humilde diante dele.

Na vida familiar uma esposa que não entende seu ministério; um filho que se desvia; um negócio que emperra; uma calúnia que o atordoa; um pecado do qual não consegue se desvencilhar; qualquer coisa, para que olhe para seus pés e se envergonhe de sua imperfeição.

O obreiro quando olha para o espelho e vê refletido nele a glória de Deus tem a tendência de se exaltar, mas ao olhar para os seus pés, não pode fazer outra coisa senão chorar!

Paulo poderia se gloriar das tantas revelações e visões.

Paulo tinha uma fraqueza; os pregadores e santos têm fraquezas.

Os santos caminham com fraquezas. Deixe-me dizer isto: Certas marcas de pecado jazem em nossa mente a fim de lembrar-nos de que somos salvos e vivemos por causa da graça de Deus.

Paulo orou três vezes - mas Deus não afastou a imagem que o oprimia.

Deus conhecia a fraqueza de Paulo e indicou-lhe que teria de conviver com ela toda a vida.

A resposta de Deus?

A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo... (2 Co 12.9).

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós (2 Co 4.7).

A glória opera em vasos imperfeitos!

E nossa imperfeição está ali, apontando para nós, dizendo-nos que precisamos de Deus, sempre!

Deus deixa certas falhas nos seus filhos para que aprendam a depender exclusivamente dele.

A glória e a graça de Deus vêm sobre nós escondendo nossas fraquezas.

Assim como os pés de bezerro - feios - brilham com a glória de Deus, nosso caminhar é santificado por sua glória!

Todos os que aparecem na galeria dos heróis da fé em Hebreus 11 possuíam fraquezas: Abraão, Isaque, Jacó, Moisés, etc.

Algumas, fraquezas inadmissíveis hoje pela liderança da igreja!

Sara é lembrada por sua fé, e não porque duvidou.

Abraão, por sua fé, e não porque mentiu.

Noé por sua fé, e não porque se embriagou e amaldiçoou o filho.

Uma frase do escritor aos Hebreus resume a vida desses heróis da fé: da fraqueza tiraram força (Hb 11.34).

No meio das tribulações - sejam elas devido a erros cometidos, a falhas humanas ou vindas diretamente de Satanás, o peso de glória é eterno, acima de toda comparação (2 Co 4.18).

Porque a glória que sobre nós brilha vem de Deus.

Apenas refletimos a glória dele!

Pois o que de Deus recebemos é depositado em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não nossa!

 

 

1 [i]ARINTERO, Padre I.G. notas e rodapé, La Evolución Mística,Vol. 91 p. 418 BAC Espanha

 

quinta-feira, 21 de maio de 2009

O Que virá depois........?

VOCÊ VAI PERMITIR?
(¿Usted lo permitirá?)

Pastor Hector Muñoz Uribe - Concepción/Chile

Tradução de João Cruzué 


O que você diria se um homossexual entregasse a "teu" filho de oito anos um “manual” para convencê-lo de que suas condutas [homossexuais] são inteiramente normais? Que diria você se esse “manual” lhe inculcara que as condutas homossexuais não são aceitas por culpa da Igreja e da moral cristã que você tem ensinado?

Que diria você, se soubesse que esse “manual” vem acompanhado de um cursos, que inclui algumas “tarefas” como fazer um convite para um homossexual vir a sala de aula para que explique suas próprias experiências, ou pior ainda, efetuar visitas a organizações de homossexuais, onde se lhe explicará com todos os detalhes como se deve “assumir” a homossexualidade?

E, que diria você se o Ministério da Educação (do Chile) outorgasse um respaldo oficial a este “manual” dando-lhe boas vindas, como acaba de fazê-lo a chefe do Departamento de Educação Extracurricular do Ministério de Educação, Magdalena Garretón: “São muito bem-vindos os materiais para ensinar sobre este tema” (publicado no Jornal El Mercúrio em 28 de abril de 2009) ainda que o MEC – Chileno não o respalde?

Tal situação não é uma mera possibilidade. Ao contrário, é muito provável que seu filho deva estudar o manual “Educando na diversidade, orientação sexual e identidade de gênero” editado pelo “Movimiento de liberación homossexual [do Chile] e financiado pelo governo socialista de Extremadura (Comunidade Autônoma da Espanha, cuja Capital é Mérida) e pelo “Movimiento homosexual Triángulo”, também da Espanha.

Esse “manual” se destina, em uma primeira edição, a 250 colégios da Região Metropolitana de Santiago para crianças desde a 7ª séria do ensino fundamental até o 4º ano do ensino médio, além de oferecê-lo gratuitamente em página da WEB.

Seu objetivo é acostumar aos meninos, e entre eles pode estar “teu” filho, com as condutas homossexuais, acabar com qualquer objeção de consciência a essas condutas e, por último, a quem já tenha sido pervertido por suas diretrizes, a “sair do armário” publicamente. Ou seja, uma apologia da homossexualidade.

Mas este "manual" não fica apenas na teoria. Explica também a meninos e meninas que em seu "processo de auto-conhecimento" se deve destruir a "homo-transfobia-interiorizada", acabar com o recato e a vergonha sobre sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Em poucas palavras, isto significa que os ativistas homossexuais trataram de convencer a muitos meninos, que se encontram em uma fase de amadurecimento incipiente, de que são homossexuais sem sabê-lo, e que mais adiante se devem comportar como tais.

Posteriormente lhes mostra, nesse processo de "auto-conhecimento", que poderão ter experiências "de intimidade com pares homossexuais ou transexuais e, finalmente, lhes recomenda, a "saída do armário", ou seja, que proclamem sem vergonha sua condição homossexual.

Segundo o "manual", a principal culpada da discriminação aos homossexuais é a influência do cristianismo. Uma das religiões que consideram a homossexualidade com um pecado que atenta contra a moral e os bons costumes.

O "manual" explica aos meninos que "o pecado é um conceito religioso que somente se baseia na Bíblia, em texto "não conclusivo".

A consequência é que "teu" filho, na medida que se deixe induzir por ativistas homossexuais, se convencerá da "normalidade" de tais condutas, e terminará inevitavelmente rechaçando qualquer influência moral da religião, por crer que esta é a causadora de todas as discriminações.

Toda esta incitação à imoralidade e instigação à apostasia da moral cristã está sendo financiada pela Junta de Extremadura do PSOE (partido político da Espanha) e pela fundação espanhola "Triángulo" de lésbicas e homossexuais para impor sobre o Chile o que hoje já é lei na Espanha: as uniões civis homossexuais e a adoção de crianças por parte desses "casais".

Mas o objetivo do Movimento de Homossexuais (Movilh) é que o Ministério da Educação - 0 do Chile - incorpore o manual para lhe dar uma distribuição nacional. Segundo eles, o Movilh com esta publicação está "fazendo as vezes" do MEC-Chileno.

Afirma o "Movilh" que há jovens que estão solicitando sua publicação em todas as províncias chilenas (de Arica a Punta Arenas) sem embargo, uma política educação sexual para estudantes via Ministério da Educação ( CNN Chile, 18 de abril, 2009)

Isto é uma clara pressão para que o Governo do Chile "encampe" este manual como um texto educativo para todo o país. Tal eventualidade é bem provável, uma vez que o grande financiador das atividades do "Movilh" é precisamente o governo do Chile.

Ademais, o próprio Ministério de Educação do Chile já deu as "boas-vindas" a este péssimo manual e no passado recomendou um livro de conteúdo muito semelhante que aconselhava aos meninos: "Faça contato com alguma pessoa homossexual que você conheça. Se puder, convide-a para conversar em seu curso no colégio" ("Cambiando de Piel" - edição "La morada" 1997).

Pense um pouco em "teu" filho, ou em "tua" netinha. Pense na pressão do ambiente desse curso, nas burlas e sanções, se se obstina em considerar que as condutas homossexuais são "intrisicamente desordenadas" ou simplesmente, um pecado, como sempre tem ensinado a Igreja cristã.

Resistirá?

Este "manual" é uma clara incitação à apostasia da moral cristã e da fé, e um curso de perversão sexual para as crianças; para seu filho e para sua filha e faz parte de uma campanha para descristianizar o Chile desde suas próprias raízes.

E não pense que se você os matricular em um colégio cristão estarão a salvo desta influência. O "manual" foi redigido graças a uma "experiência piloto" realizada em vários colégios, entre os quais, o "Alma Matar" e o "Monsenhor Enrique Alvear", que dizem ter uma orientação católica.

É necessário e urgente exercer uma presão sobre o Ministério da Educação para impedir que aqueles que pretendem dar um respaldo oficial a este "manual" tenham êxito. Se a Ministra da Educação não vir, de parte dos pais de família uma forte reação contra esta campanha de pervertimento de nossos filhos, terminará por ceder diante das pressões do movimento dos homossexuais.

As declarações de boas-vindas da chefe do departamento de Educação Estracurricular do Ministério da Educação Chileno, Magdalena Garretón, a este material, são um claro indício de que se pretende aprovar oficialmente esta publicação.

Por esta razão, é urgente que você faça chegar agora mesmo seu protesto a Senhora Ministra e re-envie este email a todos seus conhecidos. Envie agoramesmo seu protesto. Emails e cartas o mais que puder. Que o Chile se informe da verdadeira realidade.

Email recebido do Pastor Hector Muñoz.

Original em espanhol: Blog Mirar Cristiano


Comentário - Hoje isto está acontecendo no Chile; amanhã, provavelmente, poderia acontecer no Brasil. Vejo uma Igreja cristã brasileira indiferente e pouco engajada. Do outro lado, o exército dos "amalequitas" está formado. Financiado com recursos públicos. Dos impostos que nós, cristãos, pagamos. Financiado com recursos de países e organizações estrangeiras. A Igreja brasileira não está levando em conta o tamanho do mal que está por vir. Para combater isso não basta orar. Nem se omitir; justificar que o mundo jaz no maligno. Você deve isto a seus filhos. A seus netos. É preciso se mexer dentro do exercício do jogo democrático. Protestar. Espernear. Engana-se quem pensa que, se a Lei da "homofobia" passar, o ativismo homossexual vai se arrefecer. O que está acontecendo no Chile mostra que não. Há uma estratégia planejada para exigir a mudança constitucional para legalizar o casamento homossexual. Com a lei da "homofobia" aprovada, o caminho fica livreE se a lei mudar, pode amparar o casamento homossexual dentro da sua Igreja. Acorda e protesta! (João Cruzué)

Marcas...........

AS MARCAS DOS PREGOS E DA LANÇA

Os sofrimentos e as lutas que a Igreja passa no decorrer de sua existência, é uma identificação com as marcas dos pregos e da lança que constam no corpo de Cristo.

O Senhor Jesus apareceu para Tomé e disse: Veja em minhas mãos as marcas dos pregos e em meu lado a marca da lança.

Tomé esta é a prova do meu sofrimento por ti, não seja incrédulo, mas crente.

Isaias 53:1-4, fala do sofrimento e da agonia da cruz e no versículo 5 diz que foi transpassado por causa de nossas transgressões.

Essas marcas são os sinais da morte que nos levou à vida.

Por meio das marcas causadas pelos pregos e da lança nós fomos sarados ( Salmos 103:1-3).

A Igreja de Cristo tem essas marcas, as marcas do sofrimento.

No inicio da Igreja ela passou grandes sofrimentos, causados pelos os tiranos da época.

Paulo antes de se converter, ainda com o nome de Saulo, assolava a Igreja, prendia os que eram do caminho, muitos foram mortos à espada, foram feridos como o Senhor.

Ainda em nosso tempo, em muitos lugares a Igreja tem as marcas do sofrimento e da morte.

Países onde é proibida a pregação do Evangelho, muito têm sido presos, maltratados e mortos.

Para a igreja de Smirna: Foi dito não temas das coisas que hás de padecer, o diabo lançará alguns na prisão para que sejais tentados, tereis de tribulações por 10 dias, sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida.

Paulo disse: Que passou por todo tipo de provações esteve ao ponto de dar sua vida pela causa de Cristo.

Paulo disse ainda: Ninguém pode servir a Cristo piamente se passar por tribulações.

João 16:33: No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo eu venci o mundo.

Estamos dispostos.

A carregar as marcas dos pregos e da lança?

As marcas da coroa de humilhação?

Tomar a cruz e seguir a Cristo?

Paulo disse em Romanos: 8:36 “ Por amor de ti somos entregues à morte o dia todo, somos levados como ovelha para o matadouro”.

Os pregos e lança falam da morte.

Temos que fazer morrer a nossa natureza terrena e as obras do corpo.

Hoje queremos ser crentes.

Mas sem as marcas do sofrimento, da dor, da provação.

Queremos somente as honras e as glórias.

Muitos de nós não estamos dispostos a pagar o preço quando a provação vem sobre a Igreja, em vez de enfrentar pulam fora.

Quando não sofremos ou rejeitamos as marcas somos considerados como covardes, e a marca da covardia impede a entrada no reino dos céus.

Josué 1:9 “Não temas sê forte e corajoso”.

 

sábado, 16 de maio de 2009

Hipócrita!

"HIPÓCRITA"

 

Cantamos Bendita hora de oração e nos conformamos com orar 10 a 15 minutos por dia.


Cantamos Eis-me aqui, eu vou, Senhor e no entanto esperamos que venham chamar-nos para o serviço de Cristo.


Cantamos Cantarei do amor de Deus e permitimos que a menor das ofensas silencie o canto.


Cantamos A qualquer lugar eu irei e nos queixamos de ter muito que fazer na igreja.


Cantamos Oh, vem tu também comigo à Nova Jerusalém, porém faltamos à Escola Biblica Dominical, à reunião de Oração e ao Sermão.


Cantamos Que segurança sou de Jesus e nos angustiamos até ficarmos prostrados com os nervos descontrolados.


Cantamos Eu quero trabalhar por meu Senhor e nunca convidamos a ninguém para ir à Igreja.


Cantamos Sim, ajuda hoje a alguém e nos conformamos com olhar para os circunstantes necessitados.


Cantamos Dá-me a Bíblia que eu tanto anelo e a deixamos empoeirada na estante.


Cantamos Dá-me Cristo e toma o mundo e o mundo mais presente em mim!!


Cantamos Que mudança gloriosa em mim se operou e acariciamos muitos pecados no coração.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Quem apóia lobo...Sacrifica a ovelha!!

RESPEITO  HUMANO

 

O General Liethen, por sua bravura e denodo, tornou-se o mais distinto militar de Frederico, rei da Prússia, e por sua sabedoria e prudência, um dos cavalheiros mais íntimos do monarca.

 

Convidado um dia a jantar com o príncipe, mandou agradecer tão honroso distinção, pedindo desculpa pela sua recusa.

 

"Dizei a Sua Majestade que hoje é o dia em que costumo comungar, e desejo passá-lo em recolhimento a fim de não distrair-me dos pensamentos de piedade."

 

Alguns dias depois, aparecendo este general no castelo de Sans-Souci, disse-lhe o príncipe: "Então?!

 

Contai-me, Liethen: como foi a vossa comunhão?"

 

A estas palavras todos os cortesãos desataram a rir.

 

– Príncipe, – disse logo o guerreiro cristão.

 

V.M. deve saber que nunca me acovardei diante do perigo.

 

Tenho sempre combatido, com dedicação e coragem, por V.M. e pela pátria, e minha espada está ainda ao seu serviço; mas não me esqueço de que acima de nós está quem é mais poderoso do que todos, Jesus Cristo; e eu não consentirei que diante de mim O insultem com essas grosseiras e estúpidas zombarias das coisas santas, que todos devemos respeitar.

 

– Bravo! Muito bem, Liethen!

 

– respondeu Frederico, rei filósofo e protestante.

 

Eu respeito a vossa religião; e admiro o vosso zelo e piedade.

 

Continuai com as vossas práticas religiosas, e ficai certo de que, em minha presença, não se repetirá o que acaba de acontecer, e que tanto vos desagradou.

 

Moral da história: Será que hoje teríamos o mesmo zelo?

 

Parece-me que quem apóia lobo, sacrifica a ovelha!

 

Muitos não estão nem aí com o rebanho e deixam serem extorquidos sem dó e nem piedade!

 

Deus tenha misericórdia da Igreja!

 

Brincadeiras tem Hora!!

Fora com as palhaçadas Ministeriais:

J. Lee Grady,
Editor da revista Charisma!
Tradução de João A. de Souza filho


É tempo de comprometimento e precisamos reafirmar o óbvio: Deus requer que os líderes obedeçam as regras!


Cerca de dois anos atrás um dinâmico pregador, pastor de uma igreja em crescimento no sul dos Estados Unidos foi pego em adultério.

A perplexa esposa conversou com a “outra”, uma dançarina de outro país e falou de Jesus pra ela.

Nesse ínterim um pequeno grupo de pastores “encobriu” o problema e rapidamente despachou o pastor para algumas sessões de aconselhamento.

Logo depois, o pastor se divorciou, e os membros da igreja que não estavam cientes da situação culparam-na pela quebra de relacionamento conjugal.
Hoje este pastor continua pregando – ainda que sejam pregações ocas.

Alguns membros da igreja se afastaram quando souberam da infidelidade do pastor.

No entanto, outro tanto ficou por achar que não podiam julgar o pastor por seu pecado.

Ainda que seja doloroso ter de afastar um líder talentoso do púlpito, este deve ser afastado para preservar o temor do Senhor.

Coisas deste tipo vêm se repetindo nos últimos anos. Jamal Harrison-Bryant, pastor de uma igreja de dez mil membros em Baltimore foi acusado de ser pai de uma criança fora do casamento.

Sua esposa, Gizellle, ao saber do caso, pediu o divórcio.

No entanto, Bryant pregou um novíssimo sermão em sua igreja usando o exemplo de Davi e seu adultério com Bate-Seba para se justificar.

“Eu ainda sou o homem!” gritou do púlpito para vibração e alegria do povo que o aplaudiu.

“A unção que possuo é maior que qualquer erro”.

E deixou claro que não queria ser disciplinado.

Para Bryant a unção está acima do caráter.

Essa imoralidade entre os líderes deixa a maioria dos crentes confusos.

Será que um líder pode ser desqualificado?

A restauração deve ser imediata?

Seremos fariseus pelo fato de pedir que os líderes deixem o púlpito e se assentem novamente entre o povo até que provem que estão restaurados?

É preciso rever algumas regras básicas:

1. Existem regras de qualificação para que uma pessoa seja líder na igreja, e o apóstolo Paulo deixou claro que existe um teste decisivo para que alguém seja líder.

Em 1 Timóteo 3.2-7 ele afirma que o líder deve ser
(1) irrepreensível;
(2) marido de uma só mulher;
(3) temperado (não pode ser dado ao álcool ou outras substâncias);
(4) Prudente;
(5) respeitável;
(6) hospitaleiro;
(7) apto para ensinar;
(8) que saiba governar bem sua própria casa;
(9) que tenha bom testemunho dos vizinhos e
(10) que não seja um novo convertido (neófito).

Escrevendo a Tito Paulo faz as mesmas exigências e acrescenta outras qualificações:
(11) não seja arrogante;
(12) nem cobiçoso
(13) ou ganancioso.

Observe que apenas uma das qualificações requer unção, que é a capacidade de ensinar.

Todas as demais qualidades são de caráter.

Paulo nada diz sobre a capacidade que o líder deve ter de profetizar, curar enfermos, ter visões, conversar com anjos, levantar dinheiro, cantar, gritar ou levar a audiência a um frenesi.

Nem tão pouco requer credenciais acadêmicas.

O caráter é a chave!

Os comentaristas concordam que a expressão “marido de uma só mulher” era um avanço na era do Novo Testamento para afirmar que “ele deve ser marido de uma única mulher”.

Não pode ser um adúltero.

(Nem bígamo).

Os líderes têm de viver em pureza sexual.

Precisam ajustar-se à definição bíblica de casamento e permanecer fiel neste contexto.

2. Os que não preenchem tais qualificações devem ser afastados.

Ao exigir caráter de seus líderes Paulo está inferindo que os que não preencherem tais qualificações devem ser afastados do ofício – pelo menos até preencherem todas as exigências.

Se fracassarem, diz Paulo, devem ser repreendidos na presença de todos para que os demais temam... (1 Tm 5.20).

O pecado do líder não deve ser minimizado, desculpado ou varrido pra baixo do tapete.

E nada disto era opcional – e Paulo advertiu a Timóteo sobre a tentação de ser parcial.

Ele escreveu: “Conjuro-te... que guardes estes conselhos…” (V 21).

A disciplina bíblica tem de ser firme.

Não se pode afastar uma pessoa por adultério e dar tratamento diferenciado a outra pessoa com o mesmo problema só porque é nosso amigo.
Mesmo que seja dolorido fazê-lo, tem de ser feito para trazer o temor do Senhor sobre as pessoas.

3. A igreja não prosperará se não disciplinar seus líderes.

Com ternura Paulo advertiu a Timóteo quanto a líderes ordenados precocemente.

Ele escreveu: “A ninguém imponhas precipitadamente as mãos” (1 Tm 5.22).

Em outras palavras os líderes serão julgados por Deus caso ordenem alguém que não preencha as qualificações bíblicas.

Se tivermos o hábito de ordenar líderes desqualificados, a corrupção fincará raízes na igreja e não poderemos fugir ao juízo de Deus.

Não podemos reescrever as regras.

Oro para que os líderes da igreja deixem de ser circenses e restaurem a ordem bíblica.

J. Lee Grady, editor da revista Charisma!
Tradução de João A. de Souza filho

terça-feira, 5 de maio de 2009

Mudar Marcos antigos?

AS DUAS PULGAS

Muitas instituições caíram e caem na armadilha das mudanças drásticas de coisas que não precisam de alteração, apenas aprimoramento.

O que lembra a história de duas pulgas. 

Elas estavam conversando e então uma comentou com a outra: 

- Sabe qual é o nosso problema?

Nós não voamos, só sabemos saltar.

Daí nossa chance de sobrevivência, quando somos percebidas pelo cachorro, é zero.

É por isso que existem muito mais moscas do que pulgas. 

E elas contrataram uma mosca como consultora, entraram num programa de reengenharia de vôo e saíram voando.

Passado algum tempo, a primeira pulga falou para a outra: 

- Quer saber?

Voar não é o suficiente, porque ficamos grudadas ao corpo do cachorro e nosso tempo de reação é bem menor do que a velocidade da coçada dele.

 Temos de aprender a fazer como as abelhas, que sugam o néctar e levantam vôo rapidamente. 

E elas contrataram o serviço de consultoria de uma abelha, que lhes ensinou a técnica do chega-suga-voa.

Funcionou, mas não resolveu.

A primeira pulga explicou por quê: 

- Nossa bolsa para armazenar sangue é pequena, por isso temos de ficar muito tempo sugando.

Escapar, a gente até escapa, mas não estamos nos alimentando direito.

Temos de aprender como os pernilongos fazem para se alimentar com aquela rapidez. 

E um pernilongo lhes prestou uma consultoria para incrementar o tamanho do abdômen.

Resolvido, mas por poucos minutos.

Como tinham ficado maiores, a aproximação delas era facilmente percebida pelo cachorro, e elas eram espantadas antes mesmo de pousar.

Foi aí que encontraram uma saltitante pulguinha: 

- Ué, vocês estão enormes!

Fizeram plástica? 

- Não, reengenharia.

Agora somos pulgas adaptadas aos desafios do século XXI.

Voamos, picamos e podemos armazenar mais alimento. 

- E por que é que estão com cara de famintas? 

- Isso é temporário.

Já estamos fazendo consultoria com um morcego, que vai nos ensinar a técnica do radar.

E você? 

- Ah, eu vou bem, obrigada.

Forte e sadia. 

Era verdade.

A pulguinha estava viçosa e bem alimentada.

Mas as pulgonas não quiseram dar a pata a torcer: 

- Mas você não está preocupada com o futuro?

Não pensou em uma reengenharia? 

- Quem disse que não?

Pensei, sim!

E fui conversar com a minha avó, que tinha a resposta na ponta da língua. 

- E o quê ela disse? 

- Não mude nada.

Apenas sente no cocuruto do cachorro.

É o único lugar que a pata dele não alcança. 

MORAL: Você não precisa de uma reengenharia radical para ser mais eficiente.

Muitas vezes, a GRANDE MUDANÇA é uma simples questão de reposicionamento. 


Virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.

 

AS MARCAS DO DISCIPULADO

AS MARCAS DO DISCIPULADO        Textos: Mateus 16.24 INTRODUÇÃO:  Paulo trazia no corpo as marcas de Cristo Jesus (Gl. 6.17).    ...