sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Á Guisa de um olhar mais atento...Sinto vergonha de mim!

O grande homem, estadista, a Águia de Aia, Rui Barbosa, certa feita escreveu:

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem- se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa no Poema Sinto vergonha de mim)

Ao ver os últimos acontecimentosl, temo que os dias previstos pelo poema acima tenham chegado até nós.

Temo que tenhamos chegado aos dias onde a desonestidade, compra de votos, imoralidade e ilegalidade sejam premiadas, e o trabalho duro, a dedicação, o profissionalismo a toda prova sejam execrados.

Temo que o nepotismo e tudo aquilo que o mundo reputa imoral ou ilegal, seja visto aos nossos olhos como normal.

Temo que homens maus sejam vistos como espertos e os homens bons sejam vistos como bobos.

Temo que os articuladores imorais sejam vistos como sábios e os santos como pura comédia.

Temo que a Bíblia seja apenas um objeto que se porta embaixo dos braços, para se pregar na cartilha das politicagens e das vergonhas que não bastassem permearem todo nosso sistema secular, sorrateira e silenciosamente se infiltram, se instalam e destroem nossos valores.

Temos visto homens rebeldes sendo premiados, consagrados, reconhecidos, louvados.

Homens sem história honesta, sem currículo, sem construção, sendo enaltecidos e louvados.

Temos visto histórias de trabalho e luta sendo destruídas, execradas.

Os pés dos homens que caminharam por este Brasil continental, que amassaram o barro duro das estradas ainda inexistentes, por mais calejados e cansados, se fizeram belos na visão e ótica de um profeta messiânico Isaias, cujas lentes estão consignadas no texto: Que formosos são sobre os montes os pés do que anuncia as boas-novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!

Quão formosos os pés daqueles que anunciam boas novas; quão formosos os pés daqueles que semeiam a paz.

Isaias com certeza, não repetiria tais palavras ao olhar para sítios que demonstram verdadeiro descaso com a ética, Pois estes seguindo a nova filosofia da execração ao invés do diálogo, da substituição do conselho pela destruição moral, do ódio declarado ao invés do amor humilde, se prestam a um dês-serviço ao evangelho.

O exemplo Edomeu parece ser a tônica das ações que visualizamos, mas esquecem do conteúdo da profecia do profeta Amós, quando disse: - Assim diz o Senhor: Por três transgressões de Edom e por quatro, não sustarei o castigo, porque perseguiu o seu irmão à espada e baniu toda a misericórdia; e a sua ira não cessou de despedaçar, e reteve a sua indignação para sempre. Esquece-se a palavra divina consignada no Salmo: ...sobre Edom lançarei o meu sapato;

Temos testemunhado a execração, o dano moral a toda prova; praticado contra homens que no trabalho ministerial se destacam e não dispõe de tempo para querelas verbais via rede mundial de computadores.

Homens que se entregam sem reservas ao trabalho na seara do Mestre.

Privando-se do convívio de sua família, Gastando-se e deixando se gastar pelo Reino de Deus!

Não basta o direito de ser respeitado como pastor deveria ser honrado, como escrito está: Seja digno de duplicada honra!

Mas se impossível honrá-lo, é obrigação ao menos respeitá-lo.

No entanto o que verificamos é que este homem de Deus, que sabiamente construiu sua carreira ao longo dos anos, Obviamente que não se faz nada sozinho, mas inegavelmente fez a parte maior e mais difícil, com o apoio de poucos e bons pastores que o incentivaram, foi e continua sendo, humilhado, execrado, desrespeitado e ferido com intenção de morte.

Fala-se da atitude que foi obrigado a tomar, mas porque não se fala das razões, perseguições e humilhações que o levaram a ter que buscar meios para sustento de sua família?

Atitudes deste naipe são vergonhosas mesmo nos ambientes seculares, o que não dizer da vergonha que sentimos quando as vemos praticadas em nossos meio.

Praticadas por alguém que se denomina: Sou Homem de Deus!

É importante que se fale, estão sendo praticadas a esmo e noite e dia por aqueles que deveriam em Nome do Senhor Jesus Cristo zelarem pelo bom nome!

Ressalvo ainda que a grandessíssima maioria de homens de Deus as repudiem, porque estão sendo praticadas por quem deveria bem representá-los de forma adulta e centrada e não da forma como vemos.

Sentimo-nos envergonhados, repudiamos o caminho adotado.

É visível que o ódio tonificador de uma atitude pouco louvável, cegou seus sentimentos e visão de Reino de Deus.

É vergonhoso enxergarmos uma preocupação de louvor a ausência de história e ao nepotismo e uma execração ao trabalho incansável e desumano.

É vergonhoso que onde se deveria pregar a paz, se expõe; se destrói, se presta um dês-serviço ao evangelho, se macula uma memória de muitos anos.

Saibam todos quantos desta vergonha participam, saibam todos quantos desta miséria são autores, estamos de luto, estamos envergonhados, estamos cabisbaixos.

Mas falaremos como o apóstolo Paulo: Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; 9 perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; 10 levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo.

Atitudes impensadas, infantis, irresponsáveis muitas vezes fazem calar o evangelho, tornam sem voz os pregadores, envergonham nossas igrejas, expõe nossos irmãos, fazem nossas ovelhas sentirem vergonha de seus pastores.

É melhor voltarmos às primeiras praticas, é necessário voltarmos ao exercício do primeiro amor, é necessário atentarmos para as palavras de Jesus à igreja em Éfeso: Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. 5 Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas. Queira o Senhor que não seja removido de nós nosso candeeiro e que de nós não seja retirada a luz de Deus!

De um pastor envergonhado.

P.S. Encerro esta carta com a parte faltante do poema supra declinado, e desejo que tal possa provocar em nós reação para além da vergonha.

Sinto vergonha de mim por ter sido educador de parte desse povo, por ter batalhado sempre pela justiça, por compactuar com a honestidade, por primar pela verdade e por ver este povo já chamado varonil enveredar pelo caminho da desonra.
Sinto vergonha de mim por ter feito parte de uma era que lutou pela democracia, pela liberdade de ser e ter que entregar aos meus filhos, simples e abominavelmente, a derrota das virtudes pelos vícios, a ausência da sensatez no julgamento da verdade, a negligência com a família, célula-mater da sociedade, demasiada preocupação om o "eu" feliz a qualquer custo, buscando a tal "felicidade" em caminhos eivados de desrespeito para com o seu próximo.
Tenho vergonha de mim pela passividade em ouvir, sem despejar meu verbo, a tantas desculpas ditadas pelo orgulho e vaidade, a tanta falta de humildade para reconhecer um erro cometido, a tantos "floreios" para justificar atos criminosos, a tanta relutância em esquecer a antiga posição de sempre "contestar", voltar atrás e mudar o futuro.
Tenho vergonha de mim pois faço parte de um povo que não reconheço, enveredando por caminhos que não quero percorrer...Tenho vergonha da minha impotência, da minha falta de garra, das minhas desilusões e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir pois amo este meu chão, vibro ao ouvir meu Hino e jamais usei a minha Bandeira para enxugar o meu suor ou enrolar meu corpo na pecaminosa manifestação de nacionalidade.
Ao lado da vergonha de mim, tenho tanta pena de ti, povo brasileiro!
www.paginapoeticadecleidecanton.com/sintovergonha.htm

PASTOR SILAS MALAFAIA DEBATE SOBRE A "PL 122" EM REDE NACIONAL

Assista ao vídeo do "Programa do Ratinho" onde o Pr. Silas Malafaia debate sobre a "PL 122" com a ex-deputado federal Iara bernardi (autora do projeto).

O programa foi ao ar em rede nacional na tarde do dia 24/02 (quarta-feira) e está tendo repercurssão em todo o território nacional.


Parte 1:

 

 

Parte 2:

 

 

Parte 3:

 

 

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

O Reino de Deus e a busca do Padrão Ético....

A Busca do Padrão Ético do Reino de Deus


É parte da responsabilidade cristã.

A busca deste padrão ético deve, portanto, constituir-se no alvo de cada crente, sendo parte de sua responsabilidade cristã.

Como Paulo ensinou aos gálatas, não se trata de obrigação imposta por um sistema legal, mas de algo que resulta de já estarmos crucificados com Cristo e de Ele ter assumido a nossa própria vida para tornar-nos capazes de ardentemente prosseguir em busca desse objetivo (ver Gl 2.20; Fp 3.12).

Isto implica afirmar, com absoluta segurança, que se o crente não manifesta esse desejo de aperfeiçoar a sua vida cristã a cada dia, nos moldes ensinados por Cristo no Sermão do Monte, é certo que não tenha experimentado a verdadeira transformação interior ou a tenha perdido no meio do caminho.

Ainda que a força da lei não produza nenhuma piedade, só aparência, o coração transformado será compelido a expressar em sua vida esse padrão ético desejado por Deus (cf. Sl 42.2; 63.1).

É resultado exclusivo da graça.

Por outro lado, cabe ressaltar, com a mesma segurança, que, se nenhum esforço humano pode produzir não só o ardente desejo, mas também a possibilidade de se experimentar, aqui e agora, essa dimensão ética do Reino de Deus, só há uma resposta a ser dada: ela é resultado exclusivo da graça (ver Rm 6.1-15).

O propósito de Cristo é que as exigências espirituais da Lei de Deus se cumpram na vida de seus seguidores (Rm 3.31; 8.4).

O relacionamento entre o crente e a Lei de Deus envolve os seguintes aspectos:

1. A lei que o crente é obrigado a cumprir consiste nos princípios éticos e morais do Antigo Testamento (Mt 7.12; 22.36-40) bem como nos ensinamentos de Cristo e dos apóstolos (28.20; 1Co 7.19; Gl 6.2).

Essas leis revelam a natureza e a vontade de Deus para todos e continuam hoje em vigor.

As leis do Antigo Testamento destinadas diretamente à nação de Israel, tais como as leis sacrificiais, cerimoniais, sociais ou cívicas, já não são obrigatórias (Hb 10.1-4; Lv 1.2,3; 24.10).

2. O crente não deve considerar a Lei como sistema de mandamentos legais através do qual se pode obter mérito para o perdão e a salvação (Gl 2.16,19).

Pelo contrário, a Lei deve ser vista como um código moral para aqueles que já estão num relacionamento salvífico com Deus e que, por meio da sua obediência à Lei, expressam a vida de Cristo dentro de si mesmo (Rm 6.15-22).

3. A fé em Cristo é o ponto de partida para o cumprimento da Lei. Mediante a fé nEle, Deus torna-se nosso Pai (cf. Jo 1.12).

Por isso, a obediência que prestamos como crentes não provém somente do nosso relacionamento com Deus como legislador soberano, mas também do relacionamento de filhos para com o Pai (Gl 4.6).

Mediante a fé em Cristo, o crente, pela graça de Deus (Rm 5.21) e pelo Espírito Santo que nele habita (Gl 3.5,14), recebe o impulso interior e o poder para cumprir a Lei de Deus (Rm 16.25,26).

Os crentes têm sido libertos do poder do pecado, e sendo agora servos de Deus (Rm 18.22), seguem o princípio da fé, pois estão “debaixo da lei de Cristo” (1Co 9.21).

Jesus ensinava enfaticamente que cumprir a vontade do seu pai celeste é uma condição permanente para a entrada no reino dos céus.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Liderar...eis a questão!

Características da Vida de um Líder


Toda pessoa tem qualidades.

Um líder em especial tem qualidades que podem ultrapassar as de seus liderados e lhe garantir essa posição.
No entanto, existem características positivas e negativas, e ambas influenciam os liderados.
O fato de uma pessoa ser líder não significa que não tenha defeitos.
O líder precisa ter sabedoria para administrar suas características negativas ou aquilo que pode refletir negativamente em seus liderados.
As imperfeições na vida de um líder não o tornam inútil para o trabalho.
No entanto, ele não pode conformar-se com os problemas que tem sob o risco de se ver absorvido por eles.

Não são os liderados que tiram um líder de seu posto, mas, sim, a inabilidade dele em saber administrar os seus pontos falhos.
Os segredos mais íntimos de um líder envolvem as áreas mais profundas da sua vida.
São nestas áreas que ele precisa ter mais habilidade e destreza para que não seja derrubado por si próprio.

Qualidades espirituais.

Qualquer pessoa que queira liderar o povo de Deus ou as organizações que trabalham em prol do reino, precisa ter as qualidades espirituais como prioridade absoluta de sua vida.
O maior segredo que um líder pode ter é possuir uma vida espiritual tão extraordinária que cause vontade nos outros de imitá-lo.

Logicamente isso acontecerá pelo exemplo prático que ele refletirá nas pessoas, e não através de um marketing pessoal que pode ser forjado a qualquer tempo.
Todo líder deve procurar, a todo custo, ser irrepreensível.
Não deve haver motivo para que algum liderado chegue até o líder e diga que ele não está cumprindo este ou aquele mandamento bíblico que ensina.

O texto de Daniel 6.5 diz que os inimigos de Daniel não conseguiram achar nada de errado nele.
Então, passaram a procurar algo em que pudessem surpreendê-lo na lei do seu Deus e não conseguiram.
Depois, prepararam uma armadilha para Daniel ir para a cova dos leões.
Daniel foi irrepreensível em sua vida, e esta regra faz parte do maior segredo de um líder.

Qualidades morais.

Para ser líder no reino de Deus é preciso que a sua vida seja limpa.
Um líder deve cuidar da sua vida moral, assim como cuida de seus próprios olhos.
Quando seus olhos não enxergam bem, você usa óculos ou lentes para ver melhor.
Se na sua vida moral houver sujeira, você não conseguirá ver direito os caminhos pelos quais deve conduzir o povo de Deus ou a organização que você lidera.

Um líder desmoralizado jamais conseguirá desenvolver o seu trabalho novamente, pois o povo não acreditará mais nele.
Por não conseguir derrubar os líderes de outra forma, Satanás tem usado este artifício em todos os tempos.

Líderes de todas as épocas têm caído por causa de dinheiro, sexo ou qualquer outra coisa que traz somente prazer momentâneo.
O que vem na seqüência é a aniquilação da carreira.
Até mesmo Davi caiu no pecado de adultério e sofreu conseqüências desastrosas em sua vida.
Deus precisa de líderes limpos, que tenham uma visão clara e sem distúrbios.

Liderança sem moralidade é ilusão.

Deus também quer líderes que tenham o desejo de ser limpos por causa dele e não por medo dos seus liderados.
Em Gênesis 39.9, José se negou a manter relações sexuais com a mulher de Potifar não por causa do que as pessoas falariam dele, mas porque ele não desejava cometer esse pecado contra o Senhor.
Ele queria ser puro aos olhos de Deus.

Este é um segredo da liderança que não tem preço.
Você pode não conseguir praticar todas as regras para tornar-se um líder excepcional mas, se tiver uma vida limpa diante de Deus, a sua visão clara das coisas o levará a atingir objetivos significativos.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Mercadoria rara....CONFIANÇA!

Você é Digno de Confiança?



Por Rick Boxx


Você é digno de confiança no seu meio profissional?


Faz alguma diferença o fato de ser ou não confiável?


De acordo com um estudo levado a cabo pela Watson Wyatt Worldwide, a resposta é um definitivo e inequívoco “sim”.


A pesquisa da Watson Wyatt indicou que os lucros das ações de empresas em que os empregados tinham confiança em seus executivos eram 42 pontos percentuais mais elevados do que os de empresas onde a desconfiança na liderança era a regra.


Revendo a pesquisa, em artigo no Wall Street Journal, Sue Shellenbarger relatou que dos 7.500 empregados entrevistados, somente a metade confiava em seus administradores.


Confiança significa ter fé ou acreditar no que alguém está dizendo, ou na forma provável que essa pessoa vai agir.


Embora poucos políticos se sobressaiam neste campo, pesquisas revelam as dificuldades de um candidato em alcançar seu oponente, em razão da desconfiança do eleitorado.


Nos Estados Unidos, depois de várias eleições em que se dizia repetidamente que caráter não era importante, os resultados das últimas eleições presidenciais mostraram que confiança reconquistou sua importância no que se refere aos líderes políticos.


É interessante notar que probidade continua se manifestando na consciência pública.


Seja na política, nos negócios ou até mesmo na vida familiar, a integridade que influencia no grau de confiabilidade de uma pessoa é uma qualidade que não pode ser negligenciada.


Se as pessoas não têm confiança na credibilidade de sua palavra, não estarão dispostas a seguir sua liderança.


Provérbios 11.3 alerta: “A integridade dos justos os guia, mas a falsidade dos infiéis os destrói.”
Assim, queria perguntar-lhe novamente: As pessoas confiam em você? Como elas responderiam esta pergunta em relação a você?


Se reconhecer que o nível de confiança que lhe atribuem é mais baixo do que deveria ser, eis algumas sugestões sobre como reconstruir sua confiabilidade:
. Cumpra suas promessas.


Não procure meios de evasão, formas de escapar de comprometimentos firmes. Como ensina Tiago 5.12: “Seja o sim de vocês, sim, e o não, não!”


Não importa se você assinou um contrato, selou um acordo com um aperto de mãos, ou meramente fez uma promessa verbal.


Se você disse que faria alguma coisa, faça-a!
. Comunique-se abertamente e com freqüência.


Muitos problemas de confiança surgem da falta de comunicação.


Se as expectativas das partes não forem discutidas com freqüência, a confiança pode facilmente se quebrar por causa de mal-entendidos.


. Seja fiel, mesmo nas coisas pequenas.


Uma vez estabelecida a confiança em você, pode acontecer de lhe confiarem assuntos de grande importância.


Não pense que confiança se estabelece apenas quando lidamos com assuntos graves e importantes.


Se não somos confiáveis para lidar com coisas aparentemente sem importância, como confiarão em nós para cuidar de assuntos relevantes?


Jesus disse: “Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito” (Lucas 16.10).


Fala-se com freqüência que o verdadeiro teste de liderança é este: quando você olha em volta, tem alguém seguindo você?


A Bíblia gosta de comparar as pessoas com ovelhas e esta comparação me parece ser exata.


Ovelha quer seguir um pastor – um líder – em quem possa confiar que cuide dela e coloque seus interesses em primeiro lugar.


Se você carece de confiabilidade, se as pessoas que trabalham ou se reportam a você não confiam em sua integridade, no que você diz, ou na segurança das decisões que toma, elas não irão seguí-lo – pelo menos, não por muito tempo.


Confiabilidade nem sempre traz acréscimo nos ganhos, mas promove relacionamentos fortes e duradouros!

RECOMPENSAS E LAMENTAÇÕES

RECOMPENSAS E LAMENTAÇÕES Texto: 1Corítios 3.1,23 Introdução: Um dos maiores problemas no mundo cristão é tratado na passagem que tem...