segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

COMUNHÃOXCONVIVÊNCIA, qual a diferença?

COMUNHÃO X CONVIVÊNCIA, qual a diferença?

http://blogdopastorluciano.blogspot.com.br/
Deus dividiu nosso ser em três partes: corpo, alma e espírito (I Ts 5.23). O corpo é o exterior visível. A alma é interior e invisível, sendo constituída de nossa mente, vontade e emoções. Nosso espírito, também interior e invisível, é a lâmpada do Senhor (Pv. 20.27), a parte mais íntima e pura do homem, o sopro (gr. pneuma) de Deus que nos fez conforme a sua imagem e semelhança.

Conviver, no contexto bíblico, é se envolver através de nossa alma. É compartilhar de desejos e emoções. Interesses pessoais comuns, relacionados às coisas da terra. Qualquer interesse humano, quando compartilhado, é uma convivência. Uma churrascada, um hobby, uma causa meramente social, lazer, trabalho, desejos e vontades diversos, enfim, será sempre uma convivência.

Pessoas reunidas para comer, beber, jogar (qualquer coisa), estudar, trabalhar, salvar animais ou espécies de plantas, se divertir, enfim, estão convivendo, restringindo seu envolvimento no nível de suas almas, nunca comungando.

Ter comunhão, é estar ligado através de nosso espírito. Dizemos comunhão, quando temos envolvimento com outra pessoa que, da mesma maneira e intenção, está diretamente ligada a Deus. É o compartilhar da mesma crença e opiniões sobre Deus e a Igreja, o estudar a Bíblia, a união de pensamentos, a evangelização em grupo, o partir do pão com unidade, sempre com perfeição de unidade, ou seja, como CORPO DE CRISTO deve ser.

Pessoas reunidas e que pensam e buscam a Deus de forma igual, com unidade, têm comunhão e são a igreja.

Através desta compreensão, podemos ir para outro nível de discussão.

Ambos, comunhão e convivência, parecem, para quem olha de longe, a mesma coisa. Porém são muito diferentes.

Com Deus, somente podemos nos relacionar através de nosso espírito. Porque Deus é espírito, Ele procura os que O adorem em espírito e em verdade (Jo 4.23.24). 

Quando buscamos adorar a Deus através do corpo ou da alma, fracassamos e apresentamos o que chamamos de "sacrifício de Caim". Deus rejeita qualquer espécie de sacrifício que não vem do espírito.

Ir ao templo com qualquer outra intenção que não seja adorar o Senhor, invocar o seu nome, em espírito e em verdade, é perda de tempo.

Os louvores devem ser espirituais (Ef. 5.19, Cl. 3.16). A músicas seculares movimentam o intelecto, ou o corpo, nunca o espírito. O ritmo está ligado ao corpo, a harmonia, à alma, e a melodia ao espírito. Quando o ritmo ou a harmonia se destacam, não é um cântico espiritual. O louvor espiritual é aquele cuja melodia se destaca, tem primazia, é valorizada em detrimento do ritmo e da harmonia.

Há tempos, um pseudo pastor realizava "vigílias" de carnaval no templo, fazendo "louvores" com danças de trenzinhos entre os irmãos, iguaizinhos os do carnaval. Todos os elementos do mundo, fazendo as pessoas correr, pular, gritar. Esse compartilhar valorizava o ritmo e a harmonia, ou seja, movimentando apenas a alma. Esse mesmo "pastor", debochado e irreverente, buscava se focar em ideias de jantares, almoços, filmes, jogos, festas, brincadeiras, e coisas do tipo, alimentando as almas das pessoas e negligenciando a verdadeira adoração que vem do espírito. Resultado: um ajuntamento de pessoas que buscavam apenas se divertir.

A convivência gera vínculos fortes, mas quando essas pessoas são provadas frente a um comportamento cristão, fracassam, pois estão cheias de si mesmas e de seus próprios interesses. Tais pessoas têm eleito seus falsos mestres (II Tm 4.3), em virtude de seus desejos, e desprezado os verdadeiros pastores e homens de Deus.

Perceba o que o leva à comunhão e o que é apenas uma convivência! O falso mestre busca apenas lhe dar entretenimento e diversão, convivências, mas não comunhão.

Quando o estudo bíblico é desvalorizado, então a comunhão vai mal. Quando as pessoas se importam mais com os eventos sociais do que com o ajuste de suas funções como Corpo de Cristo, é muito ruim.

O mundo quer convivência. Deus quer comunhão!

Chega de fazer APENAS convivências. É hora de ter, MAIS e realmente, comunhão!

Com quem você tem comunhão e com quem compartilha apenas uma convivência?

Louvo a Deus pelas pessoas com quem tenho comunhão, pois elas me edificam.

Rogo a Ele para que me ajude a elevar meus relacionamentos com quem tenho apenas convivências.

Agradeço o Senhor pela vida de Ricardo Castilhos e sua esposa Maristela pela comunhão (verdadeiro estudo da Palavra) que tivemos, eu e minha esposa, em sua casa nesse domingo. Que Deus os abençoe ricamente amados irmãos!

sábado, 14 de dezembro de 2013

Rebeldia! - Ah! Essa tal de rebeldia.....


 


Sou Pastor!

Sou Crente!

Temo a Deus!

Não sou rebelde!

Apenas acho que respeito é bom e todos nós gostamos!

Estou entre os dez pastores presidentes a mais tempo em presidência de campos eclesiásticos nas AD's no meu Estado do Paraná!

Que legado recebi?

Que legado deixarei?

  - O Ofício pastoral é o mais honroso da história da humanidade.

Para tal investidura, o Espírito Santo trabalha na escolha e na unção.

O Senhor Jesus Cristo na doação e Deus, na aprovação.

Não são escolhidos pelos homens, embora o pareça, mas pelos desígnios do Altíssimo.

As afirmativas abaixo estão no contexto de toda a cristandade, mas especialmente aos homens do cajado.

1

– As pessoas falam com ardor sobre o reino que acreditam.

- Seja o céu,

- Uma plantação de melancias ou suas frustrações.

- Os reinos diferem.

2

– Ao comermos a maior parte do bolo, alguém sairá prejudicado.

- A festa será lembrada por nossa gulodice e por alguém que nada pode mastigar.

3

– O reino que muitos homens constroem para si será desabitado porque só eles podem ser vistos.

4

– Pastores, cuidado! "Ai do mundo, por causa dos escândalos!

- Pois é inevitável que venham; mas ai do homem por quem o escândalo vier!" Mateus 18.7

5

– Os sábios não buscam a autopromoção porque conhecem sua origem.

6

– Os Judas Iscariotes do Século 21 continuam no "apostolado" porque dividem as propinas com seus pares eclesiásticos de mesma índole.

7

– O pregador do sagrado evangelho de Cristo Jesus é anunciador de refrigério, de luz; não de provocações.

- Ele anuncia a restauração de almas.

8

– Pastor animado, lobo frustrado.

- Pastor dedicado, lobo arrasado.

- Pastor dormente, lobo contente.

- Pastor ausente, lobo residente.

9

– Os escândalos estão bombando;

- Desmoronando conceituados nomes.

-  Maculando histórias.

- Obras do desmazelo, ganância.

- Igreja de Cristo, vigiai!

10

– O parlamentar cuida de leis;

- O mecânico, de automóveis.

- O ourives apura o ouro;

- O pastor zela de ovelhas.

11

– A arena da vida cristã é lugar de batalhas, não de demonstrações.

12

– O diálogo é a maior muralha protetora que os pais constroem em volta dos filhos.

13

– Escolher passar despercebido e assentar-se no derradeiro lugar é atitude rara, mas nobre.

14

– Estardalhaço não convence servos nem pecadores.

- A mensagem do Senhor não estava no vento forte, no terremoto, mas na voz mansa e delicada.

15

– A sonoridade harmoniosa do toque do berrante convence mais o gado do que o ferrão e os gritos do boieiro.

16

– O sacerdote pensou: não vou me contaminar.

O levita raciocinou: não vou me comprometer.

O bom samaritano decidiu: vou socorrer!

17

– Na galeria dos heróis da fé, Hebreus 11, não estão inscritos os covardes, os traidores, os apóstatas, os negligentes e nem os omissos.

18

– Dar ouvidos a quem não entende nossa causa é como uma tropa atender a comandos estranhos;

- É marchar em círculos,

- É perder a batalha.

19

– Herodes fez a festa.

-  Herodes fez promessas.

- Herodes decapitou João.

- Herodes foi aplaudido.

- João Batista ficou na história.

- Justiça feita.

20

– O rei fraco é ofuscado até pelo camponês de enxada na mão.

21

– Aquele que der ouvidos a todos os palpites, pareceres e conselhos, findará no hospício.

22

– A arrogância é a promoção que o príncipe das trevas outorga a seus "discípulos".

É a "virtude" que ele mais aprecia nos sacerdotes.

23

– O sal estragado não pode reclamar de ser pisado.

24

– As pessoas vulgares não conseguem ser discretas.

25

Edificar na areia,

Plantar na pedra,

Olhar as nuvens,

Ouvir descansados,

Criar desculpas,

Choramingar,

Nunca rendeu resultados positivos.

Concluo:

A reflexão do pastor sobre os temas propostos contribuirá para suas escolhas e atitudes.

O objetivo é o bom desempenho sacerdotal.

O pastor é o Bispo das almas.

O guardião do rebanho do Senhor.

Há de ser homem consagrado e irrepreensível.

Centrado.

O tropeço do boieiro poderá espalhar a boiada.

A Causa de Roboão perder as dez tribos?

- Privilegiou mais a Judá que as demais tribos!

- Quem lê!

- ENTENDA, Sei que você é inteligente ou pelo menos demonstra isso!

 
 
 
Adaptado
Pr. Odair Alves de Oliveira

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Tá do jeito que o diabo gosta?


 

Meus caros irmãos!

Inicio meu pensamento afirmando que não passa em meu coração nenhum tipo de julgamento ou  apontar para este ou aquele, que porventura esteja nesta situação, Deus me livre disso!

Creio na misericórdia Divina, mas, não posso deixar de lembrar que o pecado lança o homem no inferno!

Tenho me preocupado com a quantidade de casamentos desfeitos e o crescimento de divórcios entre Obreiros, Cantores, Ministros e pessoas envolvidas de uma ou outra forma com o púlpito das Igrejas!

Já tive o desprazer em convidar pessoas para virem exercer seus ministérios em determinadas datas e reuniões de nosso Campo Ministerial, depois somos informados: Pastor! – O Senhor não sabe que esse (a).... (X).... Está no segundo, terceiro, quarto casamento?

O Pior é que ao buscar a verdade, ela se estabelece!

Questiono-me sobre critérios adotados, não se toma nenhuma providência, o sujeito (a) continua com as agendas, recebendo a grana e cachês, pulando, saltando e dando profetadas em escala geométrica!

Como fica a Igreja em si?

Que retorno espiritual deixa um homem ou mulher em pecado?

A Responsabilidade  é daqueles que põe nos púlpitos esse tipo de pessoas, por conivência ou por falta de integridade pessoal?
 

Abaixo posto oito perguntas extraídas do livro: Por que os líderes fracassam!

Achei interessante, pois o escritor dá essa lista de questionamentos para o leitor fazer um autoexame e a partir daí, tomar os cuidados necessários para não vir cair nesta armadilha!

O adultério deixa marcas terríveis n’alma e vida pastoral!

1) – Você compartilha mais informações sobre o seu dia com sua amiga (o) do que com sua esposa (o)?

2) – Você comenta sentimentos negativos ou detalhes íntimos sobre o seu casamento com sua amiga (o)?

3) – Você comente abertamente com a sua esposa (o) sobre a extensão do seu envolvimento com a sua amiga (o)?

4) – Você se sentiria à vontade se a sua esposa (o) ouvisse as conversas que você tem com sua amiga (o)?

5) – Você se sentiria à vontade se a sua esposa (o) assistisse uma gravação de suas reuniões?

6) – Você tem ciência de tensões sexuais nesta amizade?

7) – Você e sua amiga (o) se tocam de forma diferente quando estão sozinhos e quando estão com outras pessoas?

8) – Você nutre pensamentos de paixão por sua amiga (o)?
 
 

Diante das perguntas acima, se houver alguma resposta que indique a inclinação a minar seu casamento, corrija-se, sai fora, vigia, pare de brincar com fogo estranho, pois as lágrimas e prejuízos são enormes!

sábado, 2 de novembro de 2013

As mazelas da vida e aprendendo a viver!





As mazelas da vida e aprendendo a viver!

Só se decepciona quem tem ou pensa ter amigos (as), pois dos inimigos a gente já espera o mal, não damos as costas. 

Já dos amigos a gente nunca espera um ataque tão cruel, tão covarde. 

A gente compartilha segredos, fraquezas, limitações, debilidades, alegrias e vitorias.

Desde o evento entre Deus e lúcifer a gente aprende que os maiores inimigos de uma pessoa são formados de pessoas que um dia foram seus melhores amigos. 

É por que isso dói tanto.

"Então, lhes Jesus Disse: Esta noite, todos vos escandalizareis comigo, porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho ficarão dispersas. Mas, depois da minha ressurreição, irei adiante de vós para a Galiléia. "Mt 26,31-32

Perdoar não é uma tarefa fácil para o ser humano. 

No entanto, é mais difícil ainda perdoar alguém que amamos.

Toda decepção machuca, mas o desapontamento causado por um amigo, um irmão, um amor, nos machuca muito mais.

O rei Davi conheceu essa dor. 

Depois de passar por uma experiência de profunda desilusão escreveu:
"Estremece-me no peito o Coração, terrores de morte me salteiam.
 Com efeito, não é Inimigo que me afronta; se o fosse, eu o suportaria;

Nem é o que me odeia quem se exalta contra mim, pois dele eu me esconderia; 

mas és tu 

és, 

meu companheiro,

 meu amigo íntimo. 


Juntos andávamos, entretínhamos, juntos íamos com uma multidão à casa de Deus. "Sl 55.4,12,14

O coração decepcionado pode atirar-nos num estado de depressão e rancor, passando a abrigar profundas feridas e lembranças amargas. 

Com isso, torna-se difícil a nós confiarmos em alguém novamente.
Armamos-nos contra tudo e contra todos.

Gostaríamos de evitar os desapontamentos, 

Mas não há como ser feliz sem confiar,  

Não há como confiar sem correr o risco da desilusão.

Podemos tomar algumas precauções, é verdade, mas essas posições nunca proporcionarão uma garantia total contra a decepção. 

Assim, esta será sempre uma das possibilidades da Vida. 

Nunca iremos erradicá-la da face do planeta.

Amar é abrir-se, é tornar-se acessível, é oferecer-se ao encontro, é ficar vulnerável. 

É arriscar-se!

"Não há nunca amor perfeito, sem tortura e sem cuidado". 

A Maior Prova disso encontramos na vida do próprio Senhor Jesus.

No entanto, Ele nos deixou a lição de que podemos superar uma decepção com os que amamos, Desde que a enfrentemos com confiança em Deus e com disposição de perdoar os nossos ofensores..

Não deixe que coisas do passado tirem uma sua alegria de viver o presente.

Deus, que é rico em perdoar, exorta-nos que perdoemos uns aos outros.

Conta-se que certo monge perguntou ao seu mestre:

"- Por que eu deveria perdoar o meu ofensor? 

Perguntou um monge ao seu mestre. 

Ele agiu mal comigo!

- É verdade, respondeu o Sábio. 

- Mas e tu, que fizestes mal, para que carregues contigo o peso de não perdoar?"

Perdoar é ser liberto, ser curado, é viver a vida cristã de maneira autêntica.

Deus te abençoe.

sábado, 19 de outubro de 2013

O Homem e o dinheiro!

A RAIZ DO MAL

Diz-me um advogado que as lides no tribunal só têm um objetivo: dinheiro.

Dinheiro para o cliente (vencedor).

Dinheiro para o advogado (defensor).



(Os advogados, que não concordarem, por favor, não fiquem aborrecidos comigo, mas com o seu colega.)

Diz-me um lojista que o tratamento cordial para com o potencial consumidor só tem um objetivo: ficar com o dinheiro dele.

(Os comerciantes que pensam diferente protestem contra o seu colega, não contra mim.)
Diz-me um pastor enfatuado com o seu labor na igreja: "eu só estou aqui por causa do dinheiro".

(Os pastores aborrecidos que gostam do que fazem, como eu gosto, não se entristeçam comigo, mas com o seu colega.)

O ônibus que faz o trajeto entre dois pontos carrega as pessoas que podem trazer dinheiro à empresa de transporte.

A construtora levanta o prédio com apartamentos que serão ocupados pelos compradores que tenham dinheiro.

A montadora pensa seus automóveis de olho no dinheiro dos que vão segurar os volantes dos seus veículos.

O dinheiro pode não comprar tudo, mas tudo é feito para quem o tem para comprar.

Então, para ganhá-lo, as pessoas lhe prestam culto, vendem-lhe suas almas, matam e se matam para o ter.

O dinheiro tem olhos que brilham quando é somado, ou melhor, multiplicado.

O dinheiro apaixona.

O dinheiro cega.

O dinheiro torna inimigos os irmãos.

O dinheiro faz escravos os iguais.

O dinheiro seduz honestos ao roubo.

O dinheiro leva puros à mentira.

O dinheiro corrompe os santos.

Só têm um caminho para não ser guiado por ele: é não amá-lo.

O amor ao dinheiro é mesmo a raiz de todos os males (1Timóteo 6.10).

Desejo-lhe um BOM DIA.

Israel Belo de Azevedo




O Dinheiro leva muitas pessoas até bem intencionada no principio, mas, com o andar da carruagem a ganância o faz esquecer os princípios de integridade no trato da coisa pública, alheia!

É um político que se corrompe, um funcionário que diz: Nada ver, posso levar essa caixa de leite aqui...o  patrão não se importa...é aquela funcionária que pensa e diz: Ah! eles tem tanto, que nem vão notar levar essa sandália!

É aquele pastor que se vale do cargo para se beneficiar, põe um terreno da igreja que preside a venda e depois compra bem baratinho, é o automóvel comprado com preço abaixo do mercado, verdadeiro lesa patrimônio eclesiástico, não constitui uma comissão para fazer o devido levantamento e pagar o que é correto, se acha no direito de enriquecer com dinheiro de dízimos e ofertas!

Mete a mão mesmo!

Será que o Céu para estas pessoas é aonde?

E Com isto se tornam presas fáceis de auxiliares que descobrem suas falcatruas, e aí fazer concessões uma necessidade, isso eu chamo de o famoso: Rabo preso! (Desculpem o linguajar!)

Acerto de bastidores sempre visando o lucro pessoal!

As compras nas casas de materiais de construção tem aquele acerto de um percentual por baixo dos panos, não importa que se pague mais caro, o dinheiro não é dele...

Esquecem esses crápulas, que o aposentado, a viúva, o trabalhador, o empresário contribuiu pela fé e aquele dinheiro é consagrado ao Senhor!

Com certeza haveremos de prestar contas ao Senhor que tudo vê, sabe e conhece!

A Hora do acerto de contas virá!

Que Deus se apiede de nós!

Quem for achado fiel e é fiel jamais se chocará com que escrevi aqui!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Estou deprimido e daí, o que você pode fazer por mim?

Não julgue o deprimido



            
Stephen Altrogge
 

É fácil julgar pessoas que estão deprimidas.



Você já teve pensamentos como estes:

Por que eles não conseguem simplesmente sair da depressão?

Eles não estão confiando em Deus? 

Um cristão não deveria ser feliz? 

Eles não devem estar se esforçando o bastante.

Eles não devem estar exercitando sua fé em Deus.  

Eles estão encalhados na descrença.

Esses pensamentos passaram pela minha mente.

Para a minha vergonha.

Eu achava que eu era forte e não conseguia entender por que pessoas deprimidas não conseguiam ser fortes também.

No entanto, Deus tem me mudado lentamente nos últimos anos conforme passo um tempo com pessoas que lutam com a depressão.

Eu estou lentamente aprendendo algumas coisas sobre depressão e como servir aqueles que estão lutando com isso.

Aqui vão algumas coisas que tenho aprendido.

(Observação: Esse post foi lido e editado por um cristão maduro que lutou regularmente com a depressão. Muito do que aprendi veio deles).

Não os julgue


Eu nunca experimentei a depressão, mas, pelo que me disseram, é horrível.

Ela suga sua vida, te debilita, esmaga seu espírito e torna muito difícil pensar com precisão.

Como eu nunca experimentei isso, preciso ser muito tardio em emitir julgamentos quanto aos que estão na escuridão.

Eu não sei como é isso e, até que eu passe por isso, não saberei como é.

Eu não posso falar para uma pessoa deprimida “sair dessa”, assim como eu não posso falar para uma pessoa com dor de cabeça para “sair dessa”.

Simplesmente não funciona desse jeito.

Então, preciso conter meu julgamento e ser cheio de misericórdia.

Seja compassivo



Para a minha vergonha, houve oportunidades em que eu não fui compassivo com aqueles que estão deprimidos.

Eu realmente me arrependo disso.

Depressão é algo terrível e aqueles que passam por isso precisam sentir meu cuidado e compaixão.

Eu preciso transmitir o coração de cuidado paternal que Deus tem.

Eles precisam saber que, mesmo que eu não entenda, eu realmente me importo com eles e que fico triste de vê-los nessa luta.

O que eu não preciso fazer é corrigi-los.

Veja, não me entenda mal, há hora e lugar para gentilmente lembrá-los de confiar no caráter e nas promessas de Deus, mas minha proporção de compaixão e correção deve ser de aproximadamente vinte por  um.

Eu preciso lembrá-los que Deus se importa profundamente com eles, os ama e está com eles na escuridão.

Não ofereça soluções



Pode haver a tentação de oferecer soluções como um livro ou um sermão para uma pessoa que está deprimida.

Geralmente isso não é uma boa ideia.

A depressão torna praticamente impossível se concentrar e destrói totalmente qualquer energia ou motivação que uma pessoa poderia ter.

Na realidade, eu preciso oferecer esperança a essa pessoa.

A falta de esperança é um dos principais sintomas da depressão e o afligido frequentemente tem medo de que a escuridão nunca acabe.

Eu preciso encorajá-los mostrando que Deus irá tirá-los dessa.

 Que isso passará e que Deus virá até eles.

Eu preciso encorajá-los a apegar-se no Senhor com a pequena força que eles tiverem e lembrá-los de que Deus está apegado a eles.

Esses são passos iniciais para ajudar as pessoas, não soluções.

Espero que eles o ajudem a confortar e cuidar daqueles que estão deprimidos.

Não cometa o mesmo erro que eu.

Não julgue o deprimido, cuide dele.

Traduzido por Natália Moreira

sábado, 7 de setembro de 2013

Apenas uma leve reflexão!



Separação Santa ou “Ovelhas Gordas”?

“Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas” (Atos 10.34)

Texto e contexto conhecidos, sem margem para desentendimentos quanto a salvos e não salvos.

Está claro; Sem apelação.

A salvação é obtida pela escolha do individuo em crer em Deus e aceitar a salvação e o senhorio de Jesus.
Simples, assim.

Porém, como esta é uma atitude pessoal, às vezes pública, às vezes, não, podemos negar o poder de Deus, nem “limitá-lo” pelas nossas convenções, em ver a aparência da qual quase sempre, necessitamos em lugar dos frutos; 

Afinal, um exemplo bem claro e simples da graça de Deus em Jesus Cristo, é a salvação do “Bom” ladrão no momento de sua morte (alguém acreditou que ele antes, era bom? Nem eu.).

Seu bom fruto, o coração rendido, só uns poucos na cena, ouviram, além do Senhor.

Por outro lado, muitos são chamados e poucos são escolhidos, como na parábola das Bodas, onde o anfitrião manda chamar a todos que quisessem participar da festa. 

No meio dela, um, foi visto inadequado; Não trocou suas roupas para a ocasião. O fruto do desleixo, puro e simples. 

O fim, dele já sabemos, tanto quanto o seu significado (Mateus 22:1-14); O mau fruto e não, a aparência.

Entretanto, como se quiséssemos manter “segura” a nossa vida cristã na comunidade que se denomina igreja – e não clube, como alguns “insistem” -, criamos normas e as “sustentamos” a partir de um evangelho preguiçoso e simplista, quando seria justo e ideal , gastar um pouco mais de tempo em agir segundo a Palavra nos orienta em TODO o seu contexto, não retirando dela o que nos é conveniente e de acordo com a nossa cultura e capacidade de aceitação.

Esta é a “palavra”: CAPACIDADE.

Temos pouca capacidade de olhar os outros segundo o amor e a misericórdia de Deus e por isso, criamos formalidades e convenções embasadas em “parcialidades” dos textos do apostolo Paulo, por exemplo, que, como toda a palavra de Deus, tem seu contexto; histórico e literário.

Esquecemo-nos de que a mesma palavra de orientação dada pelas cartas do Apostolo à igreja se completam nas palavras de Jesus Cristo.

Não há confusão…

Há preguiça, religião e uma assustadora falta de um amor verdadeiro.

Por causa desta, no seio das igrejas, não sabemos quem “mata” mais as ovelhas do rebanho; se é satanás , quando elas se desprendem, ou se são as “ovelhas gordas”, descritas no capitulo 23 de
Jeremias, ou ainda, os que “amarram” a elas, fardos pesados, como os fariseus de Mateus 23 (Esses, para mim, sem dúvida, os “lobos” da história. ).

Deus trabalha para a nossa capacitação em tudo o que contribui positivamente para o reino;
O enxergar aos outros como ele nos enxerga, é uma delas.

Ou aceitamos este aprendizado que nada tem a ver com incoerência diante da palavra de Deus, ou ficaremos reféns desta mazela, além de também fazer, outros tantos.



O “Empurrar” com os ombros das “ovelhas gordas” é feito a partir de uma cultura torpe de aparências, onde a Crueldade “evangélica” domina, quando se é “diferente”.

É raro uma observação de frutos, quando deveríamos estar aptos a “ensinar esta matéria”.

Falamos muito acerca desta “aparência”, e que o Deus Eterno não vê o exterior e sim o coração.


Porém, o que mais me intriga, é que na maior parte das vezes, fazemos é esta “contrapartida”, tal como Pedro que precisou ver o lençol baixar e se levantar por três vezes, quando Deus dizia a ele para não fazer acepção e que levasse em conta o que Ele havia purificado. (Atos 10) .

A favor da igreja e não, contra, A favor dos que não podem se perder, – dentro e fora dela – é preciso um olhar mais “clínico” e amoroso ao lidar com os que não trazem a aparência que muitos, e não DEUS, necessitam.

É preciso ver os frutos e não as aparências, como Pedro, que depois de obedecer, foi até a casa do centurião e então, viu.

É preciso uma postura onde o compromisso com a palavra, seja regra, mas que seja com toda ela.

Uma vida cristã e não apenas (me perdoem os que gostam do termo), “Gospel” (a menos que seja no seu verdadeiro sentido).

Uma vida livre da religiosidade que vê a possibilidade de aceitação, a partir de uma ideia que diz que, “Se há uma probabilidade”, então há 100% de possibilidade, com o resto da humanidade.

Deus nos trata de maneira pessoal e não como a números.

Por isso, não “limitemos” o poder dele, pelos nossos costumes; Antes, sejamos renovados em seu amor, que, além permitir que sejamos suporte para que a ovelha ao nosso lado, não caia, nos dá a condição de ver os frutos e não a aparência.

Rogério Ribeiro

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

APASCENTANDO OVELHAS OU ENTRETENDO BODES



CHARLES HADDON SPURGEON

APASCENTANDO OVELHA OU ENTRETENDO BODE

Um mal acontece no arraial professo do Senhor, tão flagrante na sua impudência, que até o menos perspicaz dificilmente falharia em notá-lo. 

Este mal evoluiu numa proporção anormal, mesmo para o erro, no decurso de alguns anos. 

Ele tem agido como fermento até que a massa toda levede. 

O demônio raramente fez algo tão engenhoso, quanto insinuar a Igreja que parte da sua missão é prover entretenimento para o povo, visando alcançá-los. 

De anunciar em alta voz, como fizeram os puritanos, a Igreja, gradualmente, baixou o tom do seu testemunho e também tolerou e desculpou as leviandades da época. 

Depois, ela as consentiu em suas fronteiras. 



Agora, ela as adota sob o pretexto de alcançar as massas.

Meu primeiro argumento é que prover entretenimento ao povo, em nenhum lugar das Escrituras, é mencionado como uma função da Igreja. 

Se fosse obrigação da Igreja, porque Cristo não falaria dele? "Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura" (Lc.16:15). 

Isto é suficientemente claro. 

Assim também seria, se Ele adicionasse "e provejam divertimento para aqueles que não tem prazer no evangelho". 

Tais palavras, entretanto, não são encontradas. Nem parecem ocorrer-Lhe.

Em outra passagem encontramos: "E Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres? (Ef.4:11). 

Onde entram os animadores? O Espírito Santo silencia, no que se refere a eles. 

Os profetas foram perseguidos por agradar as pessoas ou por oporem-se a elas?

Em segundo lugar, prover distração está em direto antagonismo ao ensino e vida de Cristo e seus apóstolos. 

Qual era a posição da Igreja para com o mundo? "Vós sois o sal da terra" (Mt.5:13), não o doce açúcar ! algo que o mundo irá cuspir, não engolir. 

Curta e pungente foi à expressão: "Deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos? (Mt.8:22). Que seriedade impressionante!

Cristo poderia ter sido mais popular, se tivesse introduzido mais brilho e elementos agradáveis a sua missão, quando as pessoas O deixaram por causa da natureza inquiridora do seu ensino. 

Porém, eu não O escuto dizer: "Corre atrás deste povo Pedro, e diga-lhes que teremos um estilo diferente de culto amanhã; algo curto e atrativo, com uma pregação bem pequena. 

Teremos uma noite agradável para eles. 

Diga-lhes que, por certo, gostarão. 

Seja rápido, Pedro, nós devemos alcançá-los de qualquer jeito!".

Jesus compadeceu-se dos pecadores, lamentou e chorou por eles, mas nunca pretendeu entretê-los. 

Em vão as epístolas serão examinadas com o objetivo de achar nelas qualquer traço do evangelho do deleite. 

A mensagem que elas contêm é: "Saia, afaste-se, mantenha-se afastado!? 

Eles tinham enorme confiança no evangelho e não empregavam outra arma.

Depois que Pedro e João foram presos por pregar o evangelho, a Igreja reuniu-se em oração, mas não oraram: "Senhor, permite-nos que pelo sábio e judicioso uso da recreação inocente, possamos mostrar a este povo quão felizes nós somos". 

Dispersados pela perseguição, eles iam por todo mundo pregando o evangelho. 

Eles "viraram o mundo de cabeça para baixo". 

Esta é a única diferença! Senhor, limpe a tua Igreja de toda futilidade e entulho que o diabo impôs sobre ela e traze-a de volta aos métodos apostólicos.


Por fim, a missão do entretenimento falha em realizar o objetivo a que se propõe. Ela produz destruição entre os jovens convertidos. 

Permitam que os negligentes e zombadores, que agradecem a Deus porque a Igreja os recebeu no meio do caminho, falem e testifiquem! Permitam que falem os negligentes e zombadores, que foram alcançados por um evangelho parcial; que falem os cansados e oprimidos que buscaram paz através de um concerto musical. 

Levante-se e fale o bêbado para quem o entretenimento na forma de drama foi um elo no processo de sua conversão! 

A resposta é óbvia: a missão de promover entretenimento não produz convertidos verdadeiros.


O que os pastores precisam hoje, é crer no conhecimento aliado a espiritualidade sincera; um jorrando do outro, como fruto da raiz. 

Necessitam de doutrina bíblica, de tal forma entendida e experimentada, que ponham os homens em chamas.

Autor: Charles Haddon spurgeon

Após meditar nesta mensagem, me questiono o que está acontecendo com pastores de Igrejas por este Brasil afora, que estão transformando a igreja que dirigem num circo de entretenimento ou passatempo!?

Baladas, funk, festas Caipiras, Culto retrô, foguetório, barracas mais variadas possíveis, enfim, só Deus sabe o quanto estamos vendo estas aberrações que antes condenávamos, combatíamos, e agora?

Me responda uma indagação, nunca tivemos tantos livros, recursos áudio visuais, som de primeiríssima qualidade, homens e mulheres que ostentam títulos de Drs, Phd's, DD - doutor em Divindade, Professor, Professora, psico isto ou psico aquilo...olha os títulos são diversos!

Sou estudioso e procuro me aprofundar mais e mais no oceano bíblico e o que vejo é que a cada dia estamos nos distanciando da essência, simplicidade, quebrantamento, temor (não medo), dons espirituais, é comum ouvir e ver piadas sobre línguas estranhas, o crescimento da igreja brasileira na minha opinião é devido ao crescimento biológico,  ordenação de homens ao pastorado com o intuito de cabalar votos, apaziguar situações, firmar-se no poder, concessões  ministeriais nos bastidores e quando veem para a reunião com os demais pastores, tudo já está mancomunado e acertado segundo os interesses daquele grupo!

Relatórios mentirosos, cuja transparência é igual um mar de lama!

Homens que deveriam ter cuidado na administração de seus campos e temor quanto ao uso das contribuições de ofertas e dízimos e que na maioria de irmãos fiéis que pouco ganham, mas, por questão de crer, entregam com alegria seu dinheiro, e muitos não dá o minimo valor e não aplicam na obra de Deus, evangelismo  missões, construções de templos, assistência social, tratam e não cumprem, dissimuladores, hipócritas, adúlteros, roubadores, lançam todo tipo de despesas pessoais no caixa da igreja!

Uma vergonha!

Contudo, creio piamente assim como Elias ouviu de Deus que havia sete mil que não se dobravam diante de baal, creio mesmo que há milhares de servos anônimos, que com temor e tremor anunciam o verdadeiro evangelho e ainda buscam a Deus e a sua face!

Voltemos á simplicidade do evangelho pois!

Deus se apiede de nós!

REI DAVI....... Do Pastoreio ao Trono de Israel.... Davi, o filho mais novo de Jessé                                            - I...