quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

TAL PAI, TAL FILHO




TAL PAI, TAL FILHO

"“Porque o teu povo é como os sacerdotes aos quais acusa...

Por isso, como é o povo, assim é o sacerdote” (Oseias 4.4, 9).

O leitor certamente vem percebendo como o povo acusa o governo e como o governo acusa o povo.

Mas, não quero restringir este artigo ao comportamento do povo e do governo, m...as da igreja com seus pastores.

Amós traz à lume a condição espiritual do povo de Israel em seus dias, afirmando que os sacerdotes são a cara do povo e vice-versa.

Amós está dizendo que os sacerdotes são a cara do povo.

E Oseias me levou a refletir sobre a triste realidade desses dias na igreja.

As pessoas reclamam do pastor, mas o pastor é a cara do povo.

Analise comigo.

O povo reclama do governo, da corrupção, do roubo, das mentiras, e, assim, cada candidato a um cargo político levanta a bandeira da segurança, educação e saúde.

Certo?

E o que acontece depois?

Os políticos se corrompem, como qualquer do povo se corromperia, e, que se danem tais promessas!

O jeitinho brasileiro leva as pessoas a furar as filas, a jogarem lixo pela janela do carro, avançar o sinal, a não parar para os pedestres, a não respeitar autoridade e lei; em outras palavras, a querer levar vantagem em tudo.

Ora, por que reclamar de seus políticos se estes espelham o que o povo faz, apenas em escala maior?

 Assim também na igreja.

As pessoas reclamam do “sacerdote”, do pastor, do uso indevido do dinheiro dos dízimos e ofertas, mas, afinal, que faz o pastor senão representar em grau maior a cara do povo?

Se na esfera político-social Oseias condena o perjúrio, a mentira, os roubos, o adultério, os arrombamentos e homicídios, na esfera espiritual, isto é, no seio da igreja essas coisas também acontecem.

A igreja é a cara do povo.

 E não deveria ser.

A igreja deveria espelhar o seu grande líder, Jesus Cristo, longe das mentiras, dos roubos, do adultério, dos arrombamentos e homicídios.

“Ser como Cristo, assim eu quero, ser como Cristo, meu Salvador”, cantávamos entusiasticamente.

Mas, depois de alguns anos esquecemos de Cristo como imagem e modelo absoluto e passamos a olhar para o líder da igreja.

Como não vemos no líder perfeição, reclamamos.

Mas, o pastor é a cara do povo.

Deveria, isto sim, usar de sua posição de conhecimento para levar o povo a ser como Cristo.

“O povo que não tem entendimento corre para a sua perdição” (Os 4.14).

O povo pode não ter conhecimento (ser burro), mas seu pastor não.

O problema é quando o pastor e o povo se nivelam, como denunciou Oseias: O povo é igual aos sacerdotes que tanto acusa!

Invertendo a ordem, o sacerdote baixou seu nível de espiritualidade e se tornou como o povo!

 Portanto, antes de reclamar do governo seja exemplo de vida ao governo.

Antes de reclamar do seu pastor viva como você gostaria que seu pastor vivesse!

Falei!

Pr. João A de Souza



http://www.pastorjoao.com.br
 

AS MARCAS DO DISCIPULADO

AS MARCAS DO DISCIPULADO        Textos: Mateus 16.24 INTRODUÇÃO:  Paulo trazia no corpo as marcas de Cristo Jesus (Gl. 6.17).    ...